abril 06, 2022

Camino de Santiago de Gran Canaria, 3 etapas

Partimos para mais uma aventura: Caminho de Santiago da Gran Canaria ūüĎ£
O Caminho de Santiago da Gran Canaria é uma das rotas pedestres mais bonitas e mais duras da Gran Canaria.
√Č um trilho de 66km em montanha e um desn√≠vel total de 2.750m. Atravessa a ilha de sul a norte, de Maspalomas a G√°ldar, a primeira capital de Gran Canaria, onde est√° a Igreja Matriz de Santiago de Los Caballeros, a √ļnica sede Jacobea localizada fora do continente europeu.
Esta rota √© um caminho entre vulc√Ķes, que atravessa um contraste de paisagens. Atrav√©s deste caminho, temos a oportunidade de descobrir a ilha duma forma muito aut√™ntica, e de nos envolvermos com a sua fauna e flora. √Č uma verdadeira viagem ao cora√ß√£o da ilha!

Fomos 5 amigas, a Sara vocês já conhecem, é a minha companheira de casa na Gran Canaria. A Mari é local aqui da ilha, a Melody é Alemã e a Stefy é Eslovaca. Ambas estão por cá a passar o inverno, enquanto trabalham remotamente, pela internet.

Podes ver mais fotografias e acompanhar a viagem pelos nossos stories do Instagram.



Preparação da viagem

Para nos preparar-nos para a viagem, pesquisamos alguns sites na internet, combinamos fazer algumas caminhadas de preparação juntas e discutimos o que levar na mochila.

O que levar na mochila

Se quiseres saber o que costumo levar na mochila para o Caminho de Santiago, recomendo-te leres o meu artigo: O meu Caminho a Santiago de Compostela e encontrar√°s mais informa√ß√£o sobre como te preparares para o Caminho.
Para este caminho especificamente, eu diria que um dos itens imprescind√≠veis a trazer √© um casaco imperme√°vel e corta-vento, com carapu√ßo. Isto porque atravessamos zonas com temperaturas e condi√ß√Ķes atmosf√©ricas muito diversas e, algumas delas, com muita exposi√ß√£o ao vento.

Onde dormir

Ao contr√°rio de outros Caminhos de Santiago, na Gran Canaria n√£o existe uma rede de hostels, ou de infraestruturas para o peregrino, o que complica um pouco mais o planeamento e encarece a estadia, porque temos que dormir em casas rurais.

Em Tunte dormimos no Rural Suite Santiago de Tunte, um apartamento para 7 pessoas com cozinha, que recomendamos muito.
A noite da 2ª para a 3ª etapa foi passada em Las Palmas, porque por motivos de trabalho não pudemos fazer os 3 dias seguidos. Por isso no fim de semana seguinte voltamos ao ponto de início da 3ª etapa, e começamos a caminhar daí.

Links de pesquisa √ļteis

Para me ajudar no planeamento da viagem, usei estes dois sites:
Local Guide Gran Canaria
Senderismo Gran Canaria



O nosso Caminho de Santiago, em 3 etapas

Fizemos o Caminho de Santiago no mês de Março, em 3 etapas:

1. Faro de Maspalomas - Tunte 28km
1.200m+ 340m-; 9h de caminhada

No primeiro dia apanhamos o autocarro de Las Palmas às 8:15 da manhã, em direção a Maspalomas.
Começamos no sul da ilha, com uma paisagem muito árida e cálida. A etapa mais longa e mais plana de todas. A menos bonita, na minha opinião, mas que foi importante para ver os contrastes e para apreciar muito mais as paisagens seguintes.

O caminho está todo muito bem sinalizado, à exceção dos primeiros 5km que se fazem por asfalto, dentro da cidade de Maspalomas. Quando saímos da cidade e entramos no barranco é que começou a haver sinalização e o caminho começou a ficar um pouco mais interessante.
Embora tenha algumas subidas, esta etapa é mais difícil pelo calor do que pela inclinação. Há muito sol, o caminho é maioritariamente em terra, com algum pó e a paisagem é muito desértica, por isso aconselha-se a levar roupa clara, chapéu, protetor solar, 2 litros de água e comida, até porque o primeiro ponto onde há água e comida à venda é em Fataga, a 22km de Maspalomas.




2. Tunte - Cruz de Tejeda 16km
1.050m+ 460m-; 7h30 de caminhada

O segundo dia começou em Tunte, uma vila muito local, onde jantamos e pernoitamos, e dali começamos logo a subir uma calçada antiga, tão característica dos Caminhos de Santiago, com vistas espetaculares! Os primeiros quilómetros foram sempre em subida íngreme, até ao topo das montanhas (+1.050m), mas com umas vistas tão bonitas, que não era penoso parar para respirar e apreciar a vista.
Por causa do n√≠vel de esfor√ßo e porque esta parte do caminho √© realmente inspiradora, fomos a caminhar de forma muito individual, cada uma no seu sil√™ncio e processo de interioriza√ß√£o. Foi engra√ßado como aconteceu t√£o naturalmente! Por um lado, n√£o havia f√īlego para conversar, e por outro aquela parte do caminho convidava mesmo ao retiro. A minha preferida, sem d√ļvida!



A Stefy n√£o resiste comprar torr√Ķes can√°rios, mas est√° a rir-se, porque sabe que lhe vai pesar mais um bocadito na mochila ūüėÖ


3. Cruz de Tejeda - G√°ldar 21km
450m+ 1.800m-; 7h de caminhada

O terceiro dia começou com uma subida de 200m+ por 2km, mas depois foi praticamente sempre a descer, tendo sido um exercício mais exigente para os joelhos e para os gémeos, do que cardio.
Teve paisagens fantásticas do topo, com muito verde, mas no final já nos doíam as pontas dos dedos dos pés, porque estávamos sempre a descer. Houve uma parte da descida que foi mais exigente, de alguns metros, porque o piso resvalava um pouco, mas depois vimos um outro peregrino que foi por um caminho ao lado que parecia bem mais fácil. Da próxima vez já sabemos!

Apesar de pensarmos que seria a etapa mais f√°cil, acabou por ser a mais dif√≠cil para todas, porque apanhamos uma tempestade com chuva e ventos de 80km/h! E como est√°vamos mesmo no topo das montanhas quando aconteceu a tempestade, quase voamos! ūüėÖ
Houve um momento em que pensamos mesmo em abortar missão e regressarmos de autocarro, mas decidimos insistir novamente e caminhar mais um pouco até à próxima vila e nessa altura, meio em jeito de brincadeira, meio a sério, pedimos a Santiago que nos desse um sinal. Se fosse para continuar traria sol, se fosse para virmos embora traria tempestade. E uns segundos depois veio sol e chuva ao mesmo tempo, olhamos para o céu e parecia que as nuvens se estavam a dissipar um pouco com o vento e pensamos: "bem, parece que isto é um sinal de que as coisas vão melhorar". E continuamos a caminhar até ao nosso destino final, a Gáldar.




Conclusão da experiência:

O Caminho é realmente uma boa metáfora da vida!
Às vezes estamos quase a desesperar, mas é bom lembrar que tudo passa e que depois da tempestade vem sempre a bonança, como diz o ditado.
Às vezes precisamos de nos entregarmos à experiência, de confiarmos e pensar que mesmo que aquele não seja o caminho mais fácil, é o nosso caminho. E que mesmo que estejamos a sofrer e que não faça sentido naquele momento, no final irá fazer tudo sentido e irá valer muito a pena!

Gostei muito e quero repetir, pelas paisagens, pelo caminho em si, pela experiência de viver o Caminho com outras pessoas!
Foi muito interessante caminhar com um grupo de mulheres t√£o maduras! Todas n√≥s j√° vivemos momentos de transi√ß√£o na nossa vida. Conversamos muito sobre as nossas mudan√ßas, sobre a jornada de cada uma em rela√ß√£o √†quilo que para si √© o prop√≥sito de vida e, sobretudo, divertimo-nos muito! 
Mesmo depois de uns bons quil√≥metros nos p√©s, ainda t√≠nhamos f√īlego para brincarmos e at√© para dan√ßarmos ūüėĄūüíÉ


E tu, gostavas de fazer este Caminho?

Envia-me um email para info@overtrail.com
e organizamos um grupo para vivermos esta aventura juntos! 
Anda daí!


Beijinhos e boas viagens!

Encontramo-nos na pr√≥xima hist√≥ria de caminhada ūüėČ

Raquel
Digital Nomad, Blogger, Traveller, House & Pet Sitter

Related Articles

0 comments:

Enviar um coment√°rio

Raquel Ribeiro. Com tecnologia do Blogger.