terça-feira, 28 de abril de 2020

Desperta para o teu propósito - pronto para abdicar?

Há uns dias estava a ler alguns artigos sobre a Sofia de Assunção, uma coach que sigo e gosto muito de ler, e ela escrevia sobre o propósito de vida, um tema que tenho andado a dar mais atenção ultimamente.
Ela escrevia sobre as várias razões que nos podem fazer afastarmo-nos do nosso propósito, sejam elas basearmos a nossa vida naquilo que são as definições das outras pessoas, seja alimentarmos mitos e mentiras à sombra de um sentimento de auto-vitimização, seja mesmo desconhecermos o que nos move. Mas houve uma razão que se destacou para mim que foi a de não querer pagar o preço que a nossa verdade acarreta.

Depois de vários anos num processo contínuo de auto-descoberta consegui aceder ao que me movia e finalmente, a dada altura, consegui remover os obstáculos que travavam o meu salto, mas continuava a ser muito difícil dá-lo. Lembro-me bem desse momento e lembro-me de pensar que agora estava a mais de meio da ponte. O percurso que tinha feito até lá já estava em ruínas. Sem me aperceber o meu passado já não era um presente, era impossível voltar atrás, ou como é que eu iria explicar a mim mesma este retrocesso? O caminho era para a frente, seja lá o que se viesse a apresentar, e só pagando o preço dessa verdade me permitiria dar o último salto que precisava. Estava preparada, era hora de arriscar.

Fazer uma escolha significa sempre abdicar. Abdicar da "segurança" do conforto e do conhecido, por muito que o conhecido não seja o que ambicionamos. Mas sabemos com o que contar e isso traz-nos muitas vezes uma sensação de segurança.

O que te falta a ti para arriscares a viver a tua verdade?


sexta-feira, 24 de abril de 2020

Quarentena, para que serves?

Há dias estava a ler um artigo da Sofia de Assunção, uma coach que gosto muito de seguir, e ela escrevia sobre todo o ruído que tem sentido à volta destes tempos de quarentena e fez-me tanto sentido que resolvi partilhar.
O título do artigo chama-se "E se eu não quiser voltar ao normal?"

De facto, se por um lado este é um excelente momento para nos dedicarmos a fazermos aquelas coisas que há que tempos queríamos mas nunca mais as fazíamos porque não tínhamos tempo, a verdade é que este também é um momento de parar de fazermos coisas e estarmos apenas presentes. Aquela coisa que custa tanto para muitos: o não estarmos constantemente a produzir. Porque "parar é morrer".
Às vezes parar pode ser crescer! E nem todo o crescimento é possível de ser medido e produzir alterações visíveis à nossa volta! E não deixa de ser a peça mais estruturante de nós mesmos e que nos permite sermos o melhor de nós... Afinal não é disso que se trata a vida?

Se por um lado tenho sentido uma vontade imensa de aproveitar a fazer essas tais coisas, por outro lado tenho sentido muita vontade de ler mais sobre desenvolvimento pessoal, de me conectar comigo, de aproveitar este tempo para me redefinir e redefinir o caminho que quero seguir. Para mim as paragens servem para isso mesmo, para vermos o que está bem e o que está menos bem na nossa vida e vermos o que podemos fazer para estarmos melhor. Servem, no fundo, para nos obrigarem a tomarmos as rédeas do nosso percurso, quando às vezes no corre corre da vida isso não é tão fácil fazer-se. E por mais cursos e conselhos que existam, no final quem irá saber o que é melhor para nós, somos nós mesmos, com a nossa sabedoria interna.
E é esta sabedoria interna que nos faz direccionar para uma vida significativa, alinhada com os nossos valores e propósito. E é nesta coerência entre o que se sente cá dentro e o que se vive lá fora que a tão querida felicidade dá o seu estado de graça 💓


terça-feira, 14 de abril de 2020

Quem escolhe o conselheiro, já escolheu o conselho

Tenho aproveitado para ler mais e sobretudo ler livros de desenvolvimento pessoal. Gosto muito de ler Jorge Bucay, porque os livros dele têm muitos contos com metáforas e tornam a minha leitura desafiante e cheia de insights.

Quando li esta frase estava a pensar que realmente quando queremos muito fazer uma determinada coisa (ou não fazer), mas falta-nos coragem ou outro atributo ou circunstância qualquer, temos tendência a procurar falar com pessoas que achamos que nos vão dizer o que queremos ouvir. Por isso, quando estamos com dúvidas sobre a opção a escolher, uma das formas de a encontrar a nossa resposta é olhar para quem nos dirigimos a pedir ajuda.

Como sempre, a resposta está mais cá dentro do que lá fora :)
Maravilhoso Rooftop do H-Suites Aparthotel onde estivemos em Danang, Vietnam

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Receita desodorizante natural, em 5min!

Eu uso esta receita para fazer o meu desodorizante há vários anos e funciona mesmo!
Já que a malta está a curtir a culinária, aqui vai mais um desafio, mas bem mais fácil que os anteriores.

Então é só juntar 2 colheres de sopa de amido de milho (maizena) e outras 2 de bicarbonato de sódio. Mexer com a colher e ir misturando um bocadinho de azeite, aos poucos, e depois água. Eu faço a olho, mas diria que é talvez meia colher de azeite e depois mais 1 ou 2 colheres de água, até obter uma consistência homogénea e firme.
O azeite pode ser substituído / adicionado ao óleo de coco. Eu adiciono mais água do que azeite porque o azeite em demasia pode depois manchar a roupa.


Quando estiver a consistência perfeita podem adicionar umas 4 ou 5 gotas de óleo essencial e mexer e voila! Têm desodorizante para um mês!

Super fácil, barato e natural 😊


Raquel Ribeiro. Com tecnologia do Blogger.