quinta-feira, 26 de março de 2020

Testemunho Viagem ao Vietnam

Olá! Venho falar sobre as expectativas que tínhamos em relação ao Vietnam e o que encontrámos, numa altura em que o mundo parou com a pandemia do coronavirus.

Para começar, encontrámos um país bem mais desenvolvido do que pensávamos e muito limpo!
Fomos muito bem recebidos pelos Vietnamitas, um povo muito despachado e que nos acolhe de braços abertos, quanto mais não seja para nos vender qualquer coisita 😂

Encontrámos um povo bem diferente dos que já tínhamos visitado na Ásia e diferente do que imaginávamos: muito ativo e bastante sociável, mais barulhento do que os países vizinhos e muito empreendedor, com muito bom olho para o negócio!


Percurso e lugares visitados
Estivemos cerca de 1 mês no Vietnam e visitámos apenas Hue, Hoi An e Danang. Pode parecer que visitámos pouco num mês, mas desde que somos nómadas digitais não temos pressa de visitar os locais a correr, mas usamos muito mais o "slow travel". Para saber mais sobre como é a nossa vida de nómadas digitais, acede às publicações no blogue Como é ser nómada digital.

Os nossos planos eram ficar um mês e meio no Vietnam, sendo que seria um mês em Hoi An e o restante tempo a viajar por outros locais, mas quando chegámos a Hoi An deparámo-nos com uma cidade encantadora, mas demasiado turística. Com muita gente e preços para turista. Ficámos uma semana e depois fomos para Danang, que foi uma agradável surpresa para nós. Embora pensássemos que Danang fosse uma cidade moderna, com turismo de praia e de noite e muitos nómadas digitais que gostam de festa, a verdade é que naquele momento pareceu-nos um destino mais calmo e mais local do que Hoi An e com preços muito mais acessíveis para uma estadia mais prolongada.
Também ao final de 2 meses a viajarmos pela Ásia já sentíamos a necessidade de assentar num sítio, trabalhar e descansar da viagem.
Tínhamos arranjado apartamentos com excelente relação qualidade preço, quando o coronavirus começou a atacar na Europa e a entrar em Portugal. Ainda estivemos a ponderar ficar até a onda passar, mas de facto já não fazia sentido ficar lá quando a família poderia precisar de nós em Portugal.
Para saber mais sobre a experiência de regresso a Portugal em plena pandemia e sobre outros sítios onde estivemos no Vietnam, acede aos artigos da secção Viagens Ásia: Vietnam.


Expectativas versus o que encontrámos e sentimos
  • As nossas expectativas
A nossa expectativa inicial era de ver muito mundo rural, tradições antigas, lugares e pessoas autênticas, por causa de alguns vídeos que tínhamos visto na internet anteriormente.
De facto encontrámos, mas não de uma forma tão fácil como imaginávamos.
  • Produção descentralizada, mais manual e menos industrializada
O que nos pareceu é que a produção é bastante descentralizada. Cada pessoa tem o seu próprio pequeno negócio, por isso precisam de estar todas muito próximas das estradas principais para poderem fazer negócio. Por esta razão vimos muitas técnicas tradicionais ainda a perpetuarem no tempo e reparámos que o sabor da comida era bastante bom em qualquer sítio que comprássemos. A produção nacional não nos pareceu muito industrializada ou mecanizada, mas feita sim em modo mais manual, o que também faz com que os preços não sejam tão baixos quanto esperávamos.
  • País em grande expansão: o Turismo
Por outro lado encontrámos um país em grande expansão, que está a ver o turismo como uma saída de ouro. Rapidamente percebemos o movimento de crescimento exponencial e aparentemente sem controlo das cidades e a influência do turismo já bastante presente.
Lembro-me do exemplo das senhoras que vendem fruta nos cestos tradicionais. Neste momento em Hoi An e noutros locais turísticos elas fazem mais dinheiro a venderem fotografias a transportarem os cestos do que realmente a venderem fruta... O que reflecte bem o impacto da nossa presença como turistas em cada sítio por onde passamos.

Gostámos imenso do "despacho" dos Vietnamitas, das ideias empreendedoras deles, principalmente no que toca ao turismo. A forma como conseguem observar os seus pontos fortes e de interesse turístico e "empacotar" essa sabedoria numa experiência que vende é simplesmente fantástica!

Porém, esta visão permanente de procura de negócio fez-nos sentir muitas vezes vistos apenas como um cifrão. E apesar de estarmos algumas semanas em cada sítio, fazermos compras no mercado várias vezes, etc, sentimos que nunca conseguimos passar a barreira de turista e começarmos a sermos vistos como alguém mais "local". O facto deles viverem muito dependentes do turismo nalguns locais altera muito a experiência e a forma como nos vêem. Sentimo-nos sempre muito bem tratados, mas constantemente numa relação comercial. Obviamente que em muitos outros países passamos mais despercebidos como turistas e na Ásia vê-se bem que não somos asiáticos e isso influencia em muito a experiência!
Mas a verdade é que também nunca consegui estabelecer uma relação mais próxima com um asiático. Penso que as culturas são tão diferentes das nossas, que seria preciso um longo tempo de adaptação e de conhecimento da cultura para conseguir integrar-me e ter uma relação mais próxima.
Um desafio a tentar numa próxima visita à Ásia :)
  • Zona Norte, talvez uma realidade diferente?
Porém, ouvimos dizer que a zona norte é bastante diferente e muita gente diz que é lindíssima! Provavelmente seria uma zona muito interessante para visitarmos, mas também era mais próxima da China e por causa do surto de vírus mantivemo-nos sempre longe.



Aprendizagens e Considerações finais
Embora tenhamos gostado bastante desta experiência de 3 meses a viajar pela Ásia, sentimos que começamos a ficar mais exigentes, a querer ver coisas mais diferentes, mais únicas, mais autênticas e cada vez é mais difícil isso acontecer, porque por um lado com a internet e a globalização o mundo está a tornar-se cada vez mais igual: as pessoas, as roupas, a arquitectura dos edifícios, etc. Por outro lado, já vimos mais coisas e por isso a busca pelo diferente torna-se também ela mais exigente.
O próximo destino a visitar será certamente pensado nesta lógica.

Outro pensamento que nos saltou imediatamente é que quanto mais viajamos mais valorizamos o nosso país, Portugal, que com uma área tão pequena consegue ser tão diverso e com uma cultura tão genuína presente ainda nas pessoas e nos edifícios!

Related Articles

2 comentários:

Raquel Ribeiro. Com tecnologia do Blogger.